Engenharia Ambiental e Sanitária

Introdução

O curso de Bacharelado em Engenharia Ambiental e Sanitária da Faculdade Montes Belos iniciou suas atividades em 05/02/2018. Desde então confirmou seu compromisso satisfatório com a qualidade do ensino. Todas as exigências e padrões de qualidades estabelecidos pelo MEC são atendidos como estrutura, qualidade de ensino, corpo docente qualificado e alunos bem preparados para o mercado de trabalho.

Sobre o curso

 Objetivo Geral

O curso de Engenharia Ambiental objetiva formar profissionais que buscam a solução de problemas de planejamento, instalação, execução e gerenciamento de projetos, programas e planos ambientais utilizando conhecimentos de engenharia, química e biologia, geografia e geologia desenvolvendo e aplicando ações tecnológicas de preservação e conservação o ambiente dos danos causados pela ação crescente, decorrentes das atividades humanas.

O curso de Graduação em Engenharia Ambiental, da FMB, visa formar profissionais com base sólida em engenharia, com uma visão aprofundada das necessidades de preservação, controle e recuperação ambiental, responsabilidade para com as futuras gerações, proporcionando aos egressos uma formação profissional com habilitação nas diversas ramificações da Engenharia Ambiental.

Objetivos Específicos

  1. Direcionar uma estratégia de ensino de graduação em Engenharia Ambiental, visando formar um engenheiro pleno e de concepção que transite nas diversas áreas do conhecimento humano que tenham interface com o Meio Ambiente. Além de oferecer ao aluno condições de se tornar um profissional competente, um cidadão com pleno conhecimento de suas responsabilidades dentro da realidade atual do país e das medidas a serem adotadas para proporcionar o bem estar da sociedade;
  2. Proporcionar condições para a formação de um profissional com capacidade e aptidão para pesquisar, elaborar e prover soluções que permitam a harmonização das diversas atividades humanas com o meio físico e os ecossistemas;
  3. Ofertar conteúdos que proporcionem aos alunos compreensão clara da área de atuação da Engenharia Ambiental, que atualmente exige a integração entre diversos campos do conhecimento, com ênfase nas áreas de recursos hídricos, saneamento ambiental, avaliação e monitoramento dos impactos ambientais e gerenciamento e avaliação de recursos naturais;
  4. Ofertar atividades afins ao curso, como: programas de extensão, estágios, atividades de pesquisa, monitoria, participação em congressos e seminários, entre outras atividades.

Perfil Profissional do Egresso

O Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade.

            O egresso deve adquirir uma formação básica, sólida e generalista, com capacidade para se especializar em qualquer área do campo da Engenharia Ambiental, que saiba trabalhar de forma independente e também em equipe, que detenha amplos conhecimentos e familiaridade com ferramentas básicas de cálculo e de informática, e com os fenômenos físicos, químico e biológicos envolvidos na sua área de atuação e com um olhar clínico e capacidade de engendrar, tanto para a região de influência da FMB como em qualquer outro local em que venha atuar profissionalmente.

Para tal, empregarão o raciocínio reflexivo, crítico e criativo, respeitando o meio ambiente e atendendo as expectativas humanas e sócio economicas no exercício das atividades profissionais. Essencialmente deve ter adquirido um comportamento pró-ativo e de independência no seu trabalho, atuando como empreendedor e como vetor de desenvolvimento tecnológico, não se restringindo apenas à sua formação técnica, mas a uma formação mais ampla, política, ética e moral, com uma visão crítica de sua função social como engenheiro.

 Ainda, o engenheiro ambiental pode facilitar compreensão da natureza complexa do meio ambiente, ou seja, levar todos à percepção das interações entre os aspectos físicos, socioculturais e político-econômicos que compõem a relação homem/meio, objetivando a proteção ambiental em harmonia com o desenvolvimento sustentável.

Levando em consideração o disposto na Resolução CNE/CES 11/ 2002 e na Resolução CONFEA Nº 1010/2005, o Engenheiro Ambiental formado estará capacitado para contribuir com a resolução de problemas ambientais por meio da realização de análises, diagnósticos integrados, concepção e execução de projetos e avaliações técnicas, tecnológicas, sócio-econômicas e de impactos nos setores e sistemas ambientais.

Para atender a demanda por este profissional, o Curso de Engenharia Ambiental da FMB propõe uma formação consistente em ciências básicas e ciências tecnológicas, com foco complementar em ciências sociais e gestão, aplicadas aos setores de atividades humanas geradoras de significativos impactos ambientais.

A estrutura curricular foi montada de forma a possibilitar ao estudante aplicar o conhecimento teórico mediante a realização de estágios, desenvolvimento de atividades complementares, tais como intercâmbios, projetos de iniciação científica e extensão, participação em empresa júnior, atividades sociais, culturais, artísticas e esportivas, entre outras.

Habilidades e Competências

Espera-se que o egresso do Curso de Engenharia Ambiental da Faculdade Montes Belos, além dos objetivos supracitado conforme a resolução CNE/CES 11/2002, desenvolva as seguintes competências e habilidades:

  1. aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais na identificação, análise, avaliação e minimização ou solução de problemas de saneamento básico e ambientais;
  2. utilizar tecnologias de informação como ferramentas de pesquisa e atuação profissional;
  3. caracterização dos sistemas ambientais, ecossistemas relacionando com a dinâmica dos elementos que os compõem e suas respectivas funções;
  4. correlacionar a qualidade da água, do ar e do solo com a qualidade de vida do homem e de outros elementos da natureza como a fauna e flora;
  5. identificar os parâmetros de qualidade ambiental do meio físico (ar, água e solo), meio biótico (fauna e flora), meio socioecomico (dinâmica das populações, utilização dos recursos naturais);
  6. identificar e analisar situações problemas que afetam o equilíbrio ambiental, definir os seus impactos, positivos e negativos e propor medidas mitigadoras bem como a mensuração dos danos ambientais;
  7. conceber e desenvolver ações de diagnóstico e caracterização do meio ambiente, monitoramento e controle da qualidade ambiental, de recuperação do ambiente degradado e ações estruturais e não-estruturais, visando preservar a qualidade ambiental através de metodologias de gerenciamento e planejamento ambiental;
  8. realizar estudos e pesquisas nas diversas áreas de atuação do engenheiro e ambiental;
  9. – compreender as metodologias e tecnologias de projeto, de construção, de operação e manutenção de sistemas de engenharia sanitária e ambiental;
  10. – atuar de forma ética e socialmente responsável, visando uma sociedade includente, justa e solidária.

As atribuições do Engenheiro Ambiental estão definidas na Resolução nº 447, de 22 de setembro de 2000, estando discriminadas da seguinte forma:

“Art. 2º – Compete ao engenheiro ambiental o desempenho das atividades 1 a 14 e 18 do art. 1º da Resolução nº 218, de 29 de junho de 1973, referentes à administração, gestão e ordenamentos ambientais e ao monitoramento e mitigação de impactos ambientais, seus serviços afins e correlatos.

Parágrafo único – As competências e as garantias atribuídas por esta Resolução aos engenheiros ambientais são concedidas sem prejuízo dos direitos e prerrogativas conferidas aos engenheiros, aos arquitetos, aos engenheiros agrônomos, aos geólogos ou engenheiros geólogos, aos geógrafos e aos meteorologistas, relativamente às suas atribuições na área ambiental.

Art. 3º Nenhum profissional poderá desempenhar atividades além daquelas que lhe competem, pelas características de seu currículo escolar, consideradas em cada caso, apenas, as disciplinas que contribuem para a graduação profissional, salvo outras que lhe sejam acrescidas em curso de pós-graduação, na mesma modalidade”.

Com base no disposto acima, a Resolução nº 218/73, especifica as atividades que os profissionais podem desempenhar.

Pode-se observar que as atribuições descritas estão colocadas de maneira genérica pela legislação. Isto se deve, principalmente, pelo fato de que os currículos dos cursos de Engenharia Ambiental são muito diferentes, inclusive dentro do mesmo estado. As Universidades montam os cursos, conforme necessidade regional do mercado de trabalho, por isso os mesmos se tornam tão amplos e até mesmo difíceis em definir o que pode ou não ser feito por este profissional, apesar de possuírem o mesmo título na sua formação acadêmica, Engenheiro Ambiental.

Vale ressaltar que conforme disposto na Lei Nº 5194/66, o profissional só está legalmente habilitado a exercer a profissão após o seu registro no Conselho Regional, portanto a escola capacita profissionalmente e o CREA habilita legalmente, sendo responsabilidade do Conselho Federal determinar as atribuições dos profissionais que fazem parte deste órgão de fiscalização.

Pela diversidade dos currículos dos cursos de Engenharia Ambiental, hoje há mais de 90 cursos ministrados nesta área, a legislação permite que sejam analisados os currículos, para possíveis extensões de atribuição, conforme disposto no Artigo 3º da Resolução nº 447, de 2000. Portanto, se os profissionais desta área desejarem exercer alguma outra atividade além daquelas previstas na resolução nº 447/2000, deverão solicitar extensão de atribuição, para que o currículo do profissional seja analisado pelas Câmaras Especializadas envolvidas, para a definição quanto a nova atribuição. Nesta solicitação deverá estar claro para qual atividade o profissional deseja exercer.

Atribuições no Mercado de Trabalho

O Engenheiro Ambiental tem a sua atuação profissional compromissada com o equilíbrio entre o desenvolvimento socioeconômico e a manutenção da qualidade do meio ambiente, reduzindo assim, os riscos a que são expostas as populações com o comprometimento da sua saúde.    

Suas áreas de atuação compreendem a concepção, planejamento, projeto, construção, operação e manutenção de sistemas de infraestrutura, a gestão ambiental do ambiente natural ou construído nos aspectos relacionados à avaliação de impactos ambientais, prevenção e controle da poluição, prevenção de desastres ambientais, licenciamento ambiental, adequação de empresas às exigências e padrões ambientais, recuperação de áreas degradadas e prevenção e controle de doenças redutíveis por medidas de saneamento.

  • Denominação do Curso: Engenharia Ambiental e Sanitária

    Habilitação: Engenheiro Ambiental e Sanitarista

    Modalidade: Educação Presencial

    Grau: Bacharelado

    Vagas Anuais: 100

    Periodicidade: Semestral

    Regime de Ingresso: Semestral

    Regime de Matrícula: Semestral

    Integralização Mínima: 5 anos

    Integralização Máxima: 8 anos

    Carga Horária do Curso: 4.070 horas

    Carga Horária do Estágio Curricular Supervisionado: 180 horas

    Carga Horária do Trabalho de Conclusão de Curso: 120 horas

    Turno de Funcionamento: Integral, Matutino e Noturno

    Conceito do Curso: 03/2016

     

    Coordenador do Curso: 

     E-mail: engambsanitaria@fmb.edu.br

     

    Coordenador de Trabalho de Conclusão de Curso:

    E-mail: engambsanitaria@fmb.edu.br

     

    Coordenador de Estágio Curricular Supervisionado:

    E-mail: engambsanitaria@fmb.edu.br

     

    Diretor Acadêmico: 

    E-mail: direcaoacademica@fmb.edu.br

  • Portaria de Autorização: n° 685 de 07 de setembro de 2017.